V.I.T.R.I.O.L.

 

 

     No ritual da Iniciação maçónica, templária, rosacruz ou outra do género (consignada pela Tradição Hermética das Idades), o neófito/aprendiz em dado momento se vê confrontado em sua "câmara de reflexão"  face à expressão V.I.T.R.I.O.L. e frequentemente não tem a menor ideia do que se trata.

    A Pedra Filosofal dos antigos alquimistas  leva ao entendimento de que a palavra em si  não é outra coisa senão a profunda descoberta  de si mesmo, na solidão no seio da Terra, ou, doutro modo, é o símbolo universal da constante busca do homem para melhorar a si mesmo e à Sociedade em geral.

    Efectivamente a palavra VITRIOL, que se escreve com 7 letras, é a frase mais misteriosa e secreta que se conhece, a verdadeira Palavra-Passe ou o "Ábre-te Sésamo" para o Mundo Oculto dos Deuses ou dos Homens Semi-Deuses, e cujo sentido real e profundo até hoje não foi decifrado senão por Aqueles que têm o direito a adentrar o mais sublime de todos os Tabernáculos localizado no interior da Terra. 

“VISITA  INTERIOREM  TERRAE  RECTIFICANDOQUE  INVENIES  OCCULTUM  LAPIDEM”, ou seja, Visita o Interior da Terra  Rectificando Encontrarás a Pedra Oculta.  

 

 

     A "pedra oculta" é a PEDRA DO SÁBIO que se  pode transformar na PEDRA FILOSOFAL, a pérola da Filosofia Divina, e é esta que torna o homem num ser sublime, mais evoluido,  justo e perfeito, no trajecto da Vida Universal.  Tal é o objectivo do verdadeiro iniciado (Maçon, Templário, Rosacruz  ou outro) que busca o conhecimento Sagrado e Divino. Porém...

«Hoje não conheceis mais a "palavra-passe" egípcia, que era pronunciada à entrada do Templo. Susbstitui-a, pois, aquela outra latina, que prova estar em justo e perfeito  equilíbrio com o Templo, como o obreiro ou o construtor do Edifício Humano. Sim, estar JUSTUS ET PERFECTUS. A mão direita e o pé do mesmo lado firmavam na Terra o Compasso e o Esquadro, além do mais  para dignificar também o "Quaternáreo Terreno". Este está representado na Tragédia do Golgota - nas 4 letras JNRJ que não quer dizer apenas JESUS NAZARENUS REX JUDEORUM, enquanto o indeformável Triângulo que figura no Templo Maçónico está no mesmo "Corpo Eucarístico" de Jesus, representado pelas 3 letras J.H.S. entre os 'dois ladrões' onde foi crucificado, ladeado por “Duas Colunas” vivas, Jakim e Bohaz, cujas iniciais J e B também figuravam nas duas cidades onde o mesmo Jesus nasceu e morreu: Belém e Jerusalém.  São ainda as mesmas iniciais de João Baptista (seu Arauto ou Anunciador JOKANAN).  Quanto ao termo "João Baptista" - hoje com significado mais misterioso do que outrora e relacionado com o Culto de Melkisedeque -, cumpre esclarecer que se acha estreitamente ligado ao Rito ADONHIRAMITA  de Adam, Hiram, e Ita, Mita ou Mitra».  ( In  "Dogma e Ritual da Igreja e da Maçonaria" de Dr. Victor Manuel Adrião).  

 

      Por fim, a palavra VITRIOL não só simboliza a constante busca do homem para melhorar a si mesmo, polindo a “pedra bruta” da personalidade humana (o seu ego-inferior) para que um dia brilhe a sua Individualidade (o Eu Superior) que surge como um diamante diáfamo pela limpeza da alma ou pureza em seu coração (chakra cardíaco ou plexo-solar).  A palavra V.I.T.R.I.O.L. vai além do trabalho do homem sobre si mesmo, e significa também um Lugar Oculto no Interior da Terra, que é conhecido há milhares de anos pelos Lamas Tibetanos e Mestres Hindus ou Brahmanes como o Reino de Agharta (AG - Fogo; HARTA - Coração = Coração de Fogo), onde vive uma Civilização  avançada, sob a luz de um "Sol Central" que ilumina  Shambhalla, a 'Shangri-lá', a  morada eterna do Rei do Mundo, onde vivem os santos e sábios Homens que de tempos a tempos surgem na superfície para instruir a Humanidade.  

 

“E muito mais teria para vos dizer mas não estais preparados para suportá-lo agora..."

dizia o Grande Mestre de Amor/Sabedoria que por sinal nasceu numa gruta e foi visitado por 3 “Reis Magos” vindos dos lados do Oriente como representantes dos 3 Reinos Subterrâneos (Agharta, Badagas e Duat) que o saudaram como um grande Rei, a quem veneraram oferecendo ouro, incenso e mirra, com todo o significado simbólico que contém. 

 

    Fica aqui mais esta dissertação.

    Pausa para reflexão!

    Rui Palmela

 

 Ver aqui vários autores que falaram dos Reinos Subterrâneos

e

SHAMBHALLA

 

  Voltar