O VATICANO ADMITE VIDA  ALIENÍGENA

 

 

 

 

 

Uma noticia, no mínimo insólita, de Maio/2008 publicada na Reuters (ver aqui), dá conta que o Vaticano admite finalmente a existência de vida inteligente noutros Planetas além do nosso.


Este reconhecimento oficial da Igreja Católica Romana, que admite agora aquilo que durante séculos rejeitou, tendo mesmo condenado à fogueira (na época medieval) quem afirmasse a mesma coisa que hoje o padre José Gabriel Funes afirma como astrónomo do Vaticano, não deixa de ser surpreendente.


Com efeito, numa entrevista dada ao jornal L’Osservatore Romano e para a BBC, o Padre Funes, jesuita, Director do observatário astronómico Specola Vaticana, afirmou que...

 

 “Deus pode ter criado seres inteligentes em outros planetas do mesmo modo como criou o universo e os homens. Como existem diversas criaturas na Terra, poderiam existir também outros seres inteligentes, criados por Deus". 

 

E mais concluiria dizendo que... “possíveis habitantes de outros planetas devem ser considerados como nossos irmãos”, fazendo uma referência a S. Francisco de Assis que tratava todos os seres vivos por 'irmãos’ e ‘irmãs’. Do mesmo modo, o astrónomo Funes considera também que um ser de outro planeta  é um nosso 'irmão extraterrestre'.    


Aplaudo esta brilhante conclusão do sacerdote cientista que fez a Igreja de Roma mudar neste século os seus próprios pontos de vista, admitindo que haja seres de outros Planetas que possam ser semelhantes a nós e até mais avançados em inteligência, ciência e tecnologia milhares de anos à nossa frente. 

 

 

 

Também o Papa Francisco surpreendeu seus fiéis no dia 13 de Maio de 2014 ao ter falado dos seres alienígenas durante uma missa no Vaticano, dizendo que se os nossos irmãos extraterrestes chegassem à Terra, ele os acolheria de bom grado no seio da Igreja, demonstrando desse modo que não os teme e até os considera aqueles a quem Jesus Cristo se referia no seu Sermão dizendo que viriam um dia "sobre as nuvens do céu (em suas naves) com poder e grande glória (no meio de brilho)" para fazer na Terra uma certa Intervenção.

 

De resto, o próprio Vaticano já conhecia algo insólito que sucedeu com o Papa João XXIII em 1961 quando passava férias na sua residência de verão em Castel Gandolfo e teve um encontro com um ser de outro mundo.

 

 

 

O acontecimento foi presenciado pelo seu próprio assistente que só em 2005 teria feito declarações à Imprensa sobre o sucedido, sendo actualmente bastante divulgado em várias páginas na Internet especialmente dedicadas à Ovnilogia. Segundo o secretário papal Loris Capolvilla, um dos mais velhos bispos católicos em 2012, o Papa João XXIII teria tido um contato cordial com um alienígena nos jardins da pontifícia residência.

 

 

O ocorrido deu-se em Julho de 1961 quando João XXIII passeava na companhia de Capolvilla e ambos observaram no céu um objecto estranho luminoso de forma oval que emanava uma luz brilhante de coloração azul e âmbar. O Ovni manteve-se no ar durante alguns momentos antes de pousar no solo. Então, um ser com forma humana cercado por uma aura dourada e orelhas alongadas saiu da espaçonave. O Papa e seu secretário ajoelharam-se, mesmo sem saber exatamente o que estavam vendo e começaram a rezar, acreditando que se tratava de um fenômeno ou milagre celestial.

Passados alguns instantes, o Papa decidiu aproximar-se daquele ser estranho e começou a falar com ele. A conversa teria durado cerca de 20 minutos e o Papa voltou a reunir-se com o secretário e confidenciou-lhe a seguinte mensagem:

  “Os filhos de Deus estão por toda parte embora, às vezes, tenhamos dificuldade em reconhecer nossos próprios irmãos”....

  Depois, desta curta declaração o Papa disse que não falaria mais sobre o assunto com ninguém, nem mesmo aos seus mais fiéis colaboradores. Porém o acontecimento viria a ser conhecido hoje em todo o mundo originando as mais diversas reacções por parte de crentes e não crentes, uns aceitando a história como verídica e outros não. 

O Papa João XXIII, também chamado de Papa Bom,  foi um personagem misterioso que teria sido  iniciado nos mistérios da Tradição esotérica e revelou, até onde lhe foi permitido, informações sobre o "Terceiro Segredo de Fátima", sabendo-se hoje também que o chamado "Milagre do Sol" em Outubro de 1917 foi a presença de uma nave extraterreste no local, de aspecto muito luminoso que no entanto não feria os olhos das pessoas que a observavam e confundiram o objecto com o Sol surgido entre as nuvens. O fenómeno foi relatado na imprensa da época como um disco de prata que fez várias manobras durante cerca de 12 minutos e desapareceu.

 

 

 

Por fim o Papa João XXIII teria feito algumas profecias a respeito dos Mistérios da Humanidade e dos Extraterrestes:

 ...“Rolos serão encontrados nos Açores. Falarão sobre civilizações antigas e ensinarão aos homens sobre coisas há muito passadas. Os rolos falarão sobre coisas do céu. Os sinais serão cada vez mais numerosos. As luzes do céu são vermelhas, verdes e azuis. São velozes. Alguém vem de longe e quer conhecer os homens da Terra. Reuniões já estão acontecendo. Mas quem viu realmente permanecerá em silêncio”...

 

Enfim,  parece que o Vaticano está mostrando alguma abertura sobre coisas que confundem ainda tanto os crentes como os ateus, e até mesmo o padre Funes como astrónomo e cientista católico defende que a teoria do “Big Bang” e do Evolucionismo de Darwin, não choca a visão actual da Igreja sobre estes assuntos.

 

Por fim, penso que os nossos Irmãos de outros Mundos sabem o que está acontecendo aqui  na Terra e se preparam para  intervir para salvar a Humanidade (ou parte dela) no meio de catástrofes e calamidades iminentes que há muito foram previstas pela forma como os homens vivem e afectam o Planeta, estando já o seu eixo a mudar de posição (como no tempo da lendária Atlântida), sendo facto que os degelos polares se intensificam com a incidência dos raios solares cuja actividade também se tem verificado ultimamente e podem causar na Terra grande perturbação. Os cientistas sabem isso e os ETs também...

 

 

 

 


Pausa para reflexão


Rui M. Palmela

 

 

 

 Voltar